Peludo, brincalhão e carinhoso. Essas são as principais características do Albieri que já está há 5 anos no Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) de Itaquaquecetuba a espera de uma nova família. Assim como ele cerca de 110 animais, entre cães e gatos, se encontram no órgão municipal para adoção. Todos são castrados, vermifugados e estão em busca de um lar para viver e alegrar.

Para ter um desses escudeiros fiéis em casa é muito simples, basta à pessoa (adulto, a partir de 18 anos) comparecer ao CCZ, que fica na Rua Senador Canedo, 550, Parque Res. Scaffid II, de segunda a sexta-feira, no período das 10 às 12 horas e das 13h30 às 15h30, portando o RG e escolher o seu animalzinho.

A Secretaria Municipal de Saúde ressalta que todos os animais abrigados no canil do CCZ são saudáveis. Atualmente a maioria deles tem idades entre 7 e 12 anos e são mansos. De acordo com diretora do departamento Alessandra Elizabete Bonfim, infelizmente ainda existe muita resistência das pessoas em adotar animais mais velhos ou de médio e grande porte e os bichinhos acabam ficando no canil até o final da vida.

 “É muito difícil levarem os animais maiores, infelizmente. Temos bichos lindos aqui na Zoonoses e todos são bem carentes e carinhosos. Quando soltamos eles correm para receber carinho e atenção. Seria muito bom pra eles que as pessoas se sensibilizassem e dessem um lar para esses animais”, explicou.

A Secretaria Municipal de Saúde reforça que a adoção é algo importante e a posse responsável, ou seja, o comprometimento em cuidar dos bichinhos com amor e carinho é frisado à pessoa que adota. Além disso, a pasta ressalta que a Zoonoses está no limite da capacidade de atendimentos aos animais, então na medida em que cães e gatos forem sendo adotados, o espaço é liberado para outros animais serem atendidos.

No caso de animais de porte grande, o processo de adoção e familiarização do animal precisa ser acompanhado pelos agentes de saúde da Zoonoses. “Nesses casos, a nossa equipe vai até a casa ou o local que o animal irá ficar. Fazemos essas visitas para verificar se o cachorro terá as condições adequadas de sobrevivência e convivência em sua nova moradia”, afirmou a diretora.

Mais informações podem ser obtidas pelo telefone – 4643-1947.