A Prefeitura de Itaquaquecetuba realizou uma operação conjunta, neste domingo, dia 18, contra a feira do rolo. Entre as ações, efetuou a liberação de um espaço público utilizado para a feira clandestina, que acontece aos domingos, na estrada do Bonsucesso. A operação contou com diversas secretarias e foi efetuada a apreensão de aves com espécies ameaçadas de extinção e outros produtos comercializados no espaço.

A feira do rolo é um evento recorrente, mas não tem autorização e nem alvará para acontecer, com isso, traz uma série de transtornos aos moradores local, que realizaram denúncias. Ao chegar à feira do rolo, como é conhecida, as equipes da Guarda Civil, Meio Ambiente, Secretaria da Saúde (Centro de Controle de Zoonoses) e Secretaria de Receita (Fiscalização de Posturas), encontraram comércio de pássaros, de espécie em extinção, venda de carnes suínas, entre outras irregularidades como o bloqueio de via pública, de grande importância ao tráfego de veículos e outras.

Após as constatações, as secretarias aplicaram as punições de ordem administrativas cabíveis, além de efetuar a liberação do espaço público, repressão ao crime ambiental, apreensão de aproximadamente 40 quilos de carne, além do apoderamento de outros produtos irregulares.

O prefeito Eduardo Boigues fala sobre a importância da população denunciar e ajudar a manter a ordem na cidade. “Com a participação do povo de Itaquá, nós vamos conseguir combater os crimes, as ações irregulares e dar uma cara nova para a cidade, pois o nosso povo merece ter uma cidade livre desses problemas antigos”, relata Boigues.

Para o secretário de Segurança Urbana, Anderson Caldeira, as denúncias são importantes para que ações como esta ocorram com sucesso. “Há um comércio forte de animais vivos, próximos da rede de esgoto, o ambiente é insalubre, sem contar na comercialização de animais silvestres, por isso é importante que a população denuncie feiras, eventos e outros crimes como os que constatamos aqui”, relata Caldeira.

As denúncias devem ser feitas pelo número da GCM, 153 ou por meio da ouvidoria, no número 4753-1108.